Eu amo Rio Negrinho

CMEI Algodão Doce incentiva a convivência e o aprendizado pelo brincar

Metodologia vem dando liberdade para que os alunos sejam protagonistas na sala de aula
05/10/2018 09:37

A educação infantil é a primeira etapa da educação básica. É nesse período que se inicia o desenvolvimento integral da criança incluindo os aspectos físicos, intelectuais, linguísticos e sociais.  A fase dos níveis 1 ao 3, que atende alunos de 3 a 4 anos, disponibiliza um espaço para que sejam realizadas essas novas descobertas. E nas aulas da professora Franciele Denke não poderia ser diferente. Por acreditar no potencial de aprender brincando, ela desenvolveu uma dinâmica chamada “Reconhecendo as Letras”, onde as crianças deveriam assimilar as palavras citadas com as letras espalhadas pela sala.

Para a professora, a experiência em sala de aula com iniciativas criativas são os maiores ganhos para o desenvolvimento da criança, um período no qual se forma a personalidade e a identidade da pessoa. “Eles estão dando os primeiros passos na educação, para isso é preciso mostrar para eles que o aprendizado é algo divertido e que só trará benefícios”, ressalta. Através das brincadeiras, as crianças puderam melhorar o desempenho escolar e ainda promover a cidadania e laços afetivos entre os colegas da turma.

Para facilitar o aprendizado, Franciele desenvolveu a atividade em três estágios. O processo de escrita do nome iniciou-se com letras móveis, onde o aluno deveria escolher as que correspondiam com a plaquinha que possuíam. “Na segunda parte, cortamos várias letras de revistas e enchemos uma mesa com elas”, conta. “Em meio a todas elas, eles deveriam escolher as corretas para acertar as palavras”. Após isso, os alunos foram incentivados a escrever a primeira letra do nome na areia, mesmo que no início escrevessem errado foi importante para que pudessem expressar livremente o que já aprenderam sobre seu próprio nome.

Segundo Franciele, o objetivo maior do trabalho com a escrita do nome foi fazer com que cada um dos alunos se reconhecesse como um sujeito importante, além de também proporcionar um início para a alfabetização. “O nome próprio de uma criança é seu marco de identificação e, por isso, é tão valorizada por ela. É por esse motivo também que esse trabalho gerou uma relação grande dos alunos com a escrita”, comemora a professora.

 

Download das fotos em alta resolução
Carregando